Tempo São Paulo, SP

Últimas Notícias

Em SC, países definem medidas para proteção de baleias

09/05
12:11 2018

Comissão Internacional da Baleia reúne-se, em Florianópolis, até 14 de setembro. Brasil defenderá combate aos impactos causados por redes de pesca e outras propostas.



A comunidade internacional definirá medidas para a gestão e a conservação das baleias, em evento que ocorrerá pela primeira vez no Brasil. Começa nesta terça-feira, em Florianópolis (SC), a 67º reunião anual da Comissão Internacional da Baleia (CIB). O ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, participará da abertura da sessão plenária, na próxima segunda-feira (10/09). O encontro será concluído em 14 de setembro. 



A realização da reunião em território brasileiro reforçará as propostas de conservação defendidas pelo País. Foi com esse objetivo que o Brasil se candidatou e foi aceito, em 2016, para sediar o encontro. “A proteção das baleias é uma das preocupações mundiais”, declarou o ministro Edson Duarte. “O Brasil tem se engajado de forma ativa nos foros internacionais para fortalecer a proteção ambiental e o desenvolvimento sustentável”, acrescentou.



O Brasil trabalhará em diversas frentes para a conservação das grandes espécies de cetáceos (mamíferos marinhos). Uma delas prioriza a proteção desses animais em relação às redes e petrechos de pesca perdidos ou descartados no mar. A outra foca a compatibilização da Comissão com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. A terceira, intitulada Declaração de Florianópolis, propõe que os recursos da CIB sejam direcionados exclusivamente para a conservação, e não mais para a caça.



SANTUÁRIO

 

A criação do Santuário de Baleias do Atlântico Sul também está entre as propostas que serão defendidas pelo Brasil na reunião. Para que seja criado, é necessária a aprovação por parte de 3/4 dos países da Comissão. A medida propõe um território para a proteção das grandes espécies de cetáceos que habitam a região entre os continentes americano e africano. 



Com o copatrocínio da África do Sul, Argentina, Gabão e Uruguai, a proposta evoluiu desde a primeira vez em que foi apresentada, em 1998, e inclui, hoje, novos dados científicos e a elaboração de um Plano de Manejo, já referendado pelo Comitê Científico da CIB. Também está previsto o incentivo ao turismo sustentável e à pesquisa não letal e não extrativa. 



A aprovação, por unanimidade, do Plano de Ação para a Proteção e Conservação das Baleias do Atlântico Sul impulsionará esses esforços. O instrumento foca o monitoramento, a pesquisa, a proteção e o uso não letal das baleias na região e foi adotado, no ano passado, pela Convenção sobre a Conservação das Espécies Migratórias de Animais Silvestres (CMS). 



A REUNIÃO



A primeira semana do encontro será destinada a reuniões de caráter técnico dos comitês que formam a CIB. No dia 10 de setembro, será aberta a 67ª sessão plenária da Comissão, com a participação de autoridades brasileiras e dos países participantes, além de representantes da sociedade civil e da comunidade científica. 



Criada em 1946, a CIB é formada atualmente por 88 países, que se reúnem a cada dois anos. Com a diminuição dos estoques de baleias em decorrência da intensa exploração, está em vigor, desde 1986, uma moratória sobre a caça comercial. São permitidas apenas a caça para fins científicos e a caça aborígene de subsistência praticada por povos tradicionais em determinadas regiões.



AS PROPOSIÇÕES



Confira as proposições brasileiras na CIB:



- Criação do Santuário de Baleias do Atlântico Sul: território com foco na integração de ações e fomento ao turismo sustentável e à educação ambiental.



- Redes-fantasma: combate ao aparecimento de petrechos de pesca perdidos ou descartados no mar, que causam grandes impactos para a biodiversidade marinha. 



- Implementação da Agenda 2030: integração das ações promovidas pela CIB, em especial o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 14 (Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos).



- Declaração de Florianópolis: direcionamento dos recursos financeiros da Comissão para a proteção das populações de cetáceos e seu uso.



SAIBA MAIS



O Atlântico Sul abriga mais de 50 espécies de baleias. Seis delas (baleia-azul, baleia-fin, baleia-sei, baleia-minki-austral, baleia-jubarte e baleia-franca-austral) são altamente migratórias – alimentam-se nos Oceanos Antártico e Subantártico, durante o verão, e se reproduzem no Atlântico Sul, no inverno e na primavera.



O Brasil juntou-se à CIB em 1974 e aderiu à moratória à caça comercial em 1987, quando proibiu todos os tipos de caça e de molestamento a baleias e outros cetáceos em suas águas territoriais. Em 2008, as águas territoriais brasileiras foram formalmente estabelecidas como santuário de baleias e golfinhos.



 

SERVIÇO



67º Reunião Plenária da Comissão Internacional da Baleia

Data: 4 a 14 de setembro

Local: Costão do Santinho Resort, Florianópolis/SC

Credenciamento: https://iwc.int/iwc67


Fonte: Portal MMA

 

 

Comentários (0)

Escreva um comentário





Comentários


Mais Notícias

Brasil e Argentina firmam cooperação para segurança química Leia Mais!
Encontro discute regiões hidrográficas do Sul Leia Mais!
Aprovada resolução para manejo de fauna silvestre e exótica Leia Mais!
Ação brasileira contribui para combate à mudança do clima Leia Mais!
Mais recursos para revitalizar a região do Velho Chico Leia Mais!
Operação resgata 118,5 mil peixes de lagoas ameaçadas Leia Mais!
R$ 228 milhões para expandir energias renováveis Leia Mais!
Desafios para a gestão dos recursos hídricos no país Leia Mais!
Interáguas fortalece gestão das águas Leia Mais!
Brasil pode ter seu primeiro sítio misto reconhecido pela Unesco Leia Mais!
Governo diferenciará desmatamento legal do ilegal Leia Mais!