Tempo São Paulo, SP

JORNAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

Últimas Notícias

Conferência tem jovens unidos pela água

06/21
12:18 2018

Encerramento da Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente é marcado por emoção e compromissos em prol da água.



Nesta terça-feira, a etapa nacional da V Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente (V CNIJMA) chegou ao momento final. Após atividades nas estações de conhecimento, como foram chamadas as oficinas, todas as nascentes uniram-se para formar um oceano de conhecimento no pátio externo da Estância Árvore da Vida, em Sumaré, São Paulo. Reunidos em uma grande ciranda, os participantes se emocionaram com o momento da despedida.



Desde o dia 15 de junho, aproximadamente 600 pessoas, entre facilitadores, estudantes, professores, especialistas e equipe técnica vinham debatendo o tema “Vamos Cuidar do Brasil Cuidando das Águas”. A diretora do Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Renata Maranhão, explicou que o evento se revelou um espaço multiplicador de conhecimento sobre os nossos recursos naturais.



"A V Conferência foi um movimento educativo que mobilizou e empoderou jovens, crianças e adultos para retornarem aos seus territórios e promoverem espaços de reflexão e intervenção em torno do cuidado com a água", observou.



A programação foi baseada na aprendizagem de forma participativa, com a realização de jogos, gincanas e práticas pedagógicas de educação ambiental para estimular ações transformadoras, que poderão ser replicadas no cotidiano deles e nas comunidades escolares. Essa transformação é confirmada no depoimento de jovens. “Participar da conferência influenciou toda a minha vida. Se hoje sou ambientalista é porque estive aqui anos atrás”, explicou Bárbara Cardoso, do Amapá, que foi delegada na terceira CNIJMA e participou como jovem facilitadora nesta quinta edição.



APRENDIZADO



Já João Paulo Angeli, do Paraná, participou pela primeira vez do encontro. “É gratificante e transformador fazer parte desta criação. Ver a empolgação de todos desde a etapa escolar, chegar aqui e encontrar tantos projetos interessantes e crianças interessadas”, detalhou.



A V CNIJMA contou com uma feira de projetos dos estados, em que os participantes compartilharam experiências sobre seus projetos. A delegada Maria Gabriela dos Santos, de Luís Eduardo Magalhães (BA), por exemplo, desenvolveu uma manta ecológica para regar as plantas. “O meu projeto é uma malha que absorve a água e faz com que não seja preciso irrigar a horta o tempo todo, isso economiza muita água”, explicou. Ela também ficou empolgada com o que aprendeu na feira de projetos. “Pude conhecer outros projetos que vão ajudar minha escola também”, ressaltou.



ÁGUA



A Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente é um processo de adesão voluntária dividido em quatro etapas: escolar, municipal ou regional, estadual e nacional. O início da quinta edição foi marcado com as conferências escolares, que mobilizou cerca de 9,7 mil escolas de todo o país em torno desse processo educativo, elaborando projetos de ação sobre o tema água para transformar a realidade da escola e de seu entorno.



O encontro possibilitou uma visão mais abrangente dos estudantes sobre o meio ambiente. “Começamos a pensar o quão importante é a água”, contou a estudante de Santa Catarina Alana Miranda. “Antes de tudo isso acontecer, eu não tinha noção das escolhas que acontecem e o quão elas são importantes para o meio ambiente”, completou ela.



O idealizador da metodologia da V CNIJMA, Edgard Gouveia, resumiu o encontro parafraseando Dom Helder Câmara, um dos fundadores da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). “Sonho que se sonha sozinho é apenas um sonho. Sonho que se sonha junto é o começo da realidade”, vislumbrou ele. Já a coordenadora pedagógica da conferência, Daisy Cordeiro, classifica a experiência como transformadora. “As conferências infantojuvenis são como um divisor de águas. Os estudantes e professores saem daqui com outra visão, pois percebem a criatividade e capacidade de uma escola mais sustentável”, observou Daisy.



Renata Maranhão encerrou dizendo que é preciso manter a chama acesa dentro de cada jovem para promover a mudança de comportamento, de cultura e de postura com relação às questões socioambientais. "Agora, iremos desenvolver ações que mantenham, animem e fortaleçam essa rede de pessoas com vontade de mudança. São 'nascentes' que saem com uma visão crítica sobre as problemáticas socioambientais e com a consciência do poder de transformação da juventude", finalizou a diretora do Ministério.



 


Fonte: Portal MMA

 

 

Comentários (0)

Escreva um comentário





Comentários


Mais Notícias

Perda de alimentos deixa países em alerta Leia Mais!
Mobilização global contra o lixo no mar Leia Mais!
Brasil e Portugal discutem gestão da costa Leia Mais!
Comissão aprova limites da Reserva da Biosfera do Cerrado Leia Mais!
Educação Ambiental oferece 20 mil vagas Leia Mais!
País defende avanços na agenda climática Leia Mais!
Integração para proteger as águas do país Leia Mais!
Em SC, países definem medidas para proteção de baleias Leia Mais!
Encontro discute revitalização de bacias Leia Mais!
Ambientalistas já podem tentar vaga no Conama Leia Mais!
Oficina avalia prioridades para a Mata Atlântica Leia Mais!