Tempo São Paulo, SP

Últimas Notícias

Projeto destinará US$ 32,6 mi para 3 biomas

01/26
11:55 2018

Iniciativa do governo federal, GEF-Terrestre busca promover a conservação da biodiversidade da Caatinga, Pampa e Pantanal.



O Ministério do Meio Ambiente (MMA) apresentou nesta quarta-feira, em Brasília, o GEF-Terrestre para os parceiros e representantes das comunidades das áreas incluídas no projeto. Na ocasião, foram feitas contribuições para os documentos Avaliação Ambiental e Social (AAS) e Plano de Gestão (PGAS).



O GEF-Terrestre é um projeto do governo federal que busca promover a conservação da biodiversidade da Caatinga, Pampa e Pantanal, por meio de três estratégias básicas: expansão da área abrangida por unidades de conservação (UCs) e melhoria da efetividade da gestão das unidades (manejo do fogo e práticas comunitárias sustentáveis em áreas produtivas); restauração de áreas degradadas; e conservação de espécies ameaçadas.



O projeto foi criado em 2012, mas enfrentou algumas dificuldades que comprometeram o seu calendário de implantação. Com a reunião desta quarta, a última antes da aprovação final do planejamento, o GEF-Terrestre ganha novo fôlego.



O projeto tem o apoio do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF, na sigla em inglês), que faz repasses por meio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Para os próximos cinco anos, estão previstos US$ 32,6 milhões. A execução fica por conta do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio).



APOIO



Durante a reunião, a diretora de Áreas Protegidas do Ministério do Meio Ambiente, Moara Menta Giasson, citou as ações que deverão ser apoiadas em unidades de conservação dos três biomas, o valor dos recursos que deverão ser investidos e os resultados esperados.



Segundo Moara, o projeto tem como metas incentivar a implantação de 1 milhão de hectares (ha) de novas unidades de conservação, a criação de planos de sustentabilidade financeira para 24 UCs, a melhoria da efetividade de gestão de 19 UCs e o manejo integrado do fogo em 3 UCs e 20 mil hectares no entorno delas.



Além disso, o projeto vai investir no manejo sustentável em áreas produtivas de três comunidades, num total de 23 mil hectares, na recuperação de 5 mil hectares de áreas degradas que estão em processo de recuperação e em 11 Planos de Ação para espécies ameaçadas já elaborados e seis em implementação.


Fonte: Portal MMA

 

 

Comentários (0)

Escreva um comentário





Comentários


Mais Notícias

Brasil e Argentina firmam cooperação para segurança química Leia Mais!
Encontro discute regiões hidrográficas do Sul Leia Mais!
Aprovada resolução para manejo de fauna silvestre e exótica Leia Mais!
Ação brasileira contribui para combate à mudança do clima Leia Mais!
Mais recursos para revitalizar a região do Velho Chico Leia Mais!
Operação resgata 118,5 mil peixes de lagoas ameaçadas Leia Mais!
R$ 228 milhões para expandir energias renováveis Leia Mais!
Desafios para a gestão dos recursos hídricos no país Leia Mais!
Interáguas fortalece gestão das águas Leia Mais!
Brasil pode ter seu primeiro sítio misto reconhecido pela Unesco Leia Mais!
Governo diferenciará desmatamento legal do ilegal Leia Mais!